Incongruencia, padres e freiras

6

incongruência

esta é uma daquelas situações em que me apetece gritar bem alto, dentro dos limites do Senhor, claro, “Mas que incongruência!”

Agora, que já gritei, vou sair de mansinho da esfera “sagrada” para entrar na outra, na profana. E nesta já me sinto muito mais livre para escrever. Não vá o diabo tecê-las…

Então vejamos: todos conhecemos pessoas que apregoam algo e fazem o seu oposto. Aquilo a que chamamos “não bater a bota com a perdigota”. Exemplos pululam por todo o “chão sagrado”. São os chamados gurus que, de repente, deixam de ter rumo na vida, são os padres que alegadamente violam crianças, são os defensores de mulheres que exercem violência domestica contra as companheiras, são os juízes que alegadamente recebem “luvas” não por estar frio mas para aquecer a conta bancária… e um sem fim de situações que tu muito bem conheces e podes partilhar, em baixo. E sim podes dizer tudo o que te vai na alma!

E o raio da incongruência está por todo o lado. Hoje, na minha caminhada matinal, lembrei-me dum vídeo manhoso que vi há tempos em que se ensinava a viver uma vida “pura” e longa sem doenças e, de repente, venho a saber que a sua autora adoeceu com uma daquelas doenças que ceifam a vida dos mortais que não vivem uma vida santa e pura.

Ontem, numa das consultas da tarde, a minha cliente, quase a entrar em burnout, lamentava-se de o patrão ser uma “autentica besta” e de, na entrevista de emprego ter produzido um discurso muito bonito sobre a harmonia e a felicidade no trabalho.

É mesmo o “olha para aquilo que eu digo e não olhes para o que eu faço” e o povo tem mesmo razão. Podíamos, até, fazer uma verdadeira linha terapêutica com os ditados populares. Mas adiante…

E como lidas tu com estas incongruências?

Como lidaste com a informação de que o Sr. Padre e as Irmãs Freiras escravizaram pessoas? Quando estas informações chegam até ti, o que fazes? Gritas? Dizes palavrões? Entregas a informação a Deus e Ele que resolva? Ficas a “bater mal”? Angustiada? És uma fábrica a produzir raiva? Podes contar tudo, nos comentários…

Na verdade, não tenho receitas prontas para viver isto. Gosto de perceber, em cada momento, como poderei lidar de forma construtiva, com a situação. Dalai Lama diz que a raiva é uma emoção positiva quando nos impele para a ação e nos leva a corrigir algo que está errado. Ui, eu concordo plenamente! Mas raiva por raiva, não…apenas te corrói por dentro como um ácido e, num belo dia apenas serias a casca duma carcaça.

Podes experimentar perceber se alguém está já a tomar providencias. Se nada acrescentares ao que está a ser feito, aproveita para pregar noutra freguesia.

Tens recursos para intervir de forma positiva? Então fá-lo.

Não tens nada para dar, então fica quieta. E ficar quieta é bom, não estás a corroer-te. Estás a cuidar de ti. Haverá outras batalhas onde poderás intervir.

Haverá sempre coisas a acontecerem no mundo e apenas em algumas vais ter uma intervenção decisiva.  No resto, mantem-te tranquila. Dissocia-te da situação e deixa os outros trabalharem.

Sabes que podes comentar, partilhar e dizer tudo o que te vai na alma….

https://www.dn.pt/sociedade/penas-entre-12-e-17-anos-para-padre-e-freiras-por-escravizarem-novicas-em-famalicao-14984120.html

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Um pouco do meu blog

meninos e meninas ou músculos e candura?